terça-feira, 17 de agosto de 2010

Basta




Minha dor vasta
De habitar mundo raso
De almas inumanas falas
De humanos de mundo de fadas
De raio de raios fatos
De costas de vários fardos
De planeta de cores todas
De interior de vidros foscos
De amanhecer de forças fracas
De lutas deliberadamente toscas
De decepções previsíveis tolas
De mulheres que virão dores
De sonhos visíveis socos
Minha dor vasta
Me basta

Thiago Mendes

Eternidade




Espelho no raio azul de teu sol Onipotente,
momento eterno de gratidão em minha alma.
Vastos campos verdes que nem em sonhos se pode conceber,
minha mente se perde nesta possibilidade._Alma, calma.

Tempestade esta que desfaz as entranhas do mistério,
conduzindo a revelação dos segredo dos corações.
Que toma de súbito num silencio etéreo,
lampejos fortes de lépidas emoções.

Perfeição após estas imperfeições do agora,
num instante de perplexidade que possivelmente me encontrarei,
alma que deleitar-se a, agora chora.
Falta quanto tempo ate que se desfaça esta aurora?

“Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado pra aqueles que o amam.”


Thiago Mendes